2018 x 2019 – Avanços pessoais e profissionais e perspectivas para o novo ano

Victor Mendonça e Selma Sueli Silva

Fim de ano… Chegamos ao fim com gosto de vitória. Mas começamos esse ano. Olha que interessante, gente, família, parceiros de trabalho. Nós começamos 2018 muito misturados. Bacana. Muita gente elogia nossa química. Mas mãe é mãe e filho é filho. Parceiro é um e o outro parceiro é o outro. Então, a gente, com a ajuda de psicólogos, psiquiatras, a gente fez esse movimento para conseguir uma individualização saudável. E achamos que conseguimos. Hoje somos dois inteiros capazes de produzir e de somar um com o outro, em vez de um ficar subtraindo o outro.

Outra descoberta muito bacana do ano de 2018 foi que a gente não é o autismo. Com a questão dos nossos diagnósticos, estávamos muito presos a esse rótulo. Nós somos um diagnóstico? Não. Nós temos a características de sermos autistas, e como qualquer característica ela pode ser jogada para o bem ou para o mal, e agora a gente vai aproveitar esse cérebro neurodivergente para produzir mais e melhor.

Depois do diagnóstico de Selma, ela aprendeu a ficar atenta a seus pontos frágeis, que ela escondia, tinha vergonha, e jogou luz nas habilidades que ela não acreditava que tinha. Então, foi mais fácil, mais tarde, fazer essa dissociação do Victor. Tem algumas pegadinhas nessa hora. É o filho que quer tudo na mão, mas uma mãe que quer ter o controle da vida do filho. Victor lembra que já tem 21 anos, e Selma corrobora que serão 22 em fevereiro.

Se a gente começou assim, a gente termina esse ano com gosto de vitória, fortes, firmes, saudáveis. A gente até produziu nesse processo tanto de individualização quanto de nós não sermos o autismo em si, mas autistas, com um livro que a gente lançou em setembro deste ano. É o livro “Dez Anos Depois”, em que a primeira parte é de ensaios, contos, crônicas do Victor, e termina com poesia. E a segunda parte é de crônicas de Selma e também termina com poesia. Victor é quem ilustrou tudo. Ficou bem bacana.

O que nos emociona é você que tira um pouquinho de seu tempo para dar o retorno para a gente. Muitas vezes, a pessoa pensa: “o livro é ótimo” ou “O livro é péssimo” e não tem como dar o retorno, “ah, a vida está apressada”. Victor lembra de que “O livro é péssimo” a gente não recebeu não. Muita gente deu o retorno e isso para a gente é muito bacana, e a gente estava com medo, confessamos, exatamente porque nesse livro não falamos só de autismo. A gente fala de autismo também, mas não só de autismo. Claro, autismo faz parte da nossa vida, e é uma parte importante. Então, foi uma delícia fazer esse livro.

Agora, estamos preparados para 2019, com gosto de vitória, com este novo projeto do “Mundo Asperger”, o “Simpósio Internacional de Educação Inclusiva, com o apoio da UFMG – Faculdade de Educação. Será em março, nos dias 22 e 23, no Tribunal de Justiça – TJMG, na Avenida Raja Gabaglia. Muito, muito bacana. Então, a gente está na maior ansiedade, cansados, mas doidos para que o ano comece sim, porque a gente não consegue ficar sem trabalhar. Desse Simpósio queremos que a pessoa saia com ideias práticas para aplicar assim que chegar à escola, assim que chegar à família.

Estamos felizes também porque no Simpósio a gente vai lançar dois livros. Selma vai lançar “Camaleônicos”, falando sobre autistas adultos, e Victor vai lançar “Neurodivergentes”, que será seu TCC, um livro jornalístico feito sob a supervisão do professor pós-doutor do UNI-BH Maurício Guilherme Silva Jr.  2019 está vindo aí com força total!