Como trabalhar o hiperfoco de forma a direcioná-lo para as exigências do dia a dia?

Victor Mendonça, Selma Sueli Silva e Dra. Ângela Mathylde Soares

Victor: Hoje nós estamos mais uma vez com a Doutora Ângela Mathylde, com toda a sua sabedoria e conhecimento, compartilhando conosco “Neurodivergentes e Aprendizagem”.

Selma: Adoro esse quadro!

Victor: Eu também. Adoro ter a Doutora Ângela por perto. Queria ter um potinho com ela e poder levar para todo lugar. Tudo bem, Doutora Ângela? Os primeiros programas de “Neurodivergentes e Aprendizagem” tiveram uma repercussão muito bacana e o internauta Nilton Azevedo nos questionou sobre como fazer para direcionar o hiperfoco nas exigências do dia-a-dia, porque às vezes, no hiperfoco, nós autistas temos interesses que não são direcionados para o cotidiano e isso acaba nos atrapalhando.

Selma: Na realidade, o hiperfoco é presente nos autistas e em outras disfunções e transtornos. Ele tem o lado da pessoa que tem o hiperfoco e precisa torná-lo funcional e tem, por exemplo, na infância e na adolescência, a mãe que fala: “Esse menino não quer sair do celular”. Como fazemos para adequar isso?

Doutora Ângela Mathylde: Primeiro quero agradecer novamente, o programa é sensacional, e dar os parabéns ao Victor por ele ter passado no segundo lugar do mestrado. Parabéns, Victor.

Victor: Isso é que é usar o hiperfoco de maneira produtiva! Parabéns para mim; estou me achando!

Doutora Ângela Mathylde: Isso mesmo, usar de forma produtiva. E também para a Selma, que está do lado… E vem surpresa por aí, vocês vão saber. Então, como o próprio Victor disse, o hiperfoco é usado de uma forma positiva. O hiper significa uma concentração exacerbada sobre uma determinada coisa, por isso hiperfoco. Algumas patologias têm como sintoma o hiperfoco. Como há uma dificuldade de interação e socialização, o foco vai para uma coisa só, diminui a ansiedade, as exageradas demandas sociais, muitas vezes é usado como um alívio. Mas é positivo? Para determinada patologia, é positivo. Mas para outros, não é. Quando é positivo? Quando você precisa de um foco. Você foca e tem um objetivo, aí tudo bem. Mas, passou disso, já não é positivo. Tudo a mais não é positivo, tem que existir um equilíbrio. O que fazer com toda essa situação. Primeira coisa: Use mapas mentais. Eles são uma forma cronológica de você colocar valores em uma determinada situação. Então, por exemplo, tem que estudar. Você foi estudar para o mestrado, não foi?

Victor: Sim!

Doutora Ângela Mathylde: A primeira coisa foi você traçar objetivos para isso?

Victor: Sim.

Doutora Ângela Mathylde: Depois que você traçou os objetivos e fez o planejamento, como você conduziu?

Victor: Depois que eu fiz o planejamento, eu fui para a parte prática: ler a bibliografia e tudo mais.

Doutora Ângela Mathylde: E quantas vezes você precisou ler determinadas bibliografias?

Victor: O primeiro capítulo eu li algumas várias vezes, porque estava adorando, mas o resto eu fui ó, rápido.

Doutora Ângela Mathylde: Adorando. Essa é a questão. O desejo, quando você tem, aciona a questão, tem uma flexibilidade muito boa e isso é muito interessante. Quanto mais você investir naquilo que você ama, mais retorno você terá, de memória, atenção e desenvolvimento. Então, o que eu deixo para nossos telespectadores é: invista com desejo, emoção, com razão sobre o que você gosta. Porque, para isso, você não precisa ter hiperfoco. Você terá atenção plena, e dará conta de executar. Não existe você tem atenção e não ter execução, pois não adianta, tem que funcionar.

Victor: Eu fiquei impressionado porque eu li o livro do mestrado em um dia.

Selma: Foi.

Victor: Foi o livro todo.

Selma: Quando gosta, é uma beleza. Mas quando não gosta, a gente tem dificuldade.

Victor: É verdade.

Selma: A professora geralmente usa esse hiperfoco em outras matérias, de outras maneiras, para chamar a atenção do aluno para esse aprendizado. Aí vale?

Doutora Ângela Mathylde: Vale…

Selma: Porque ela está mexendo com emoção, aquilo que a senhora falou.

Doutora Ângela Mathylde: Isso. Porque tem determinadas pessoas, por falta de uma pedagogia e de uma didática, que têm uma tendência de só exibir a dificuldade de uma determinada pessoa. Então, “Você só mexe com TREM, só fica com TREM, sai do TREM.” Sou mineira né. E não, não é dessa forma. Está brincando com o trenzinho? Senta primeiro, conversa, tenha um diálogo com aquela criança naquele determinado momento. Depois do diálogo, substitua por outra coisa. É uma forma suave que a coisa acontece. Agora não adianta você falar “Me dá isso, só fica com isso”. Não é uma didática positiva para nenhuma criança.

Selma: Está ficando muito claro para mim que no século XXI mudou muita coisa. Esqueçam a pedagogia em seu método tradicional. Hoje me dia você tem que encantar o aluno, para trazer o conhecimento, abrir esse espaço de conhecimento, porque informação ele já tem, muita. Ele tem que aprender a processar esse mundo à sua volta.

Doutora Ângela Mathylde: Selma, você falou uma coisa “tremenda”. A educação do século XXI tem que ser encantadora mesmo. Mas não é encantadora de mentiras, mas de sentimento, de emoção, funções executivas. Porque eu tenho que funcionar nesse processo, porque não adianta eu ficar só amando. Eu estou amando, mas e aí?

Victor: Igual amor platônico. Aí não rola.

Selma: Eu e o Victor falamos muito nas palestras que tem diferença desse amor romântico, que você fica nesse sonho, mas que não age.

Victor: Não é esse amor piegas quando a gente fala do amor. É aquele amor que te dá brilho nos olhos de você seguir em frente e buscar aprender mais e entender mais sobre determinado assunto.

Doutora Ângela Mathylde: Movimento.

Victor: Movimento! Você falou a palavra certa. Movimenta a gente.

Doutora Ângela Mathylde: Tem uma anedota que diz assim: Existiam dois casais e eles iam passear todos os dias e quando via a lua, ele falava: “Olha a lua meu amor”. Ela tinha uma verruga na face. Ele falava que a verruga era a lua e que ela era a mulher mais linda do mundo. E aí vai verruga para lá, verruga para cá, casaram. Depois de um tempo ele olhou para ela e falou: “Mulher, vai olhar essa verruga para ver se isso não pega”.

Selma: Acabou o encantamento.

Doutora Ângela Mathylde: E quando acaba o encantamento, acaba o objetivo, acaba o movimento. E acabando o movimento, eu fico paralisada em qualquer processo: educacional, emocional, físico, em todos os processos. Eu preciso ter uma válvula motivadora, e o que é essa válvula? É a organização. Quando eu tenho organização, eu vou executando. Ai é legal. Quando a coisa está muito misturada, eu não consigo perceber as coisas e perco o objetivo. E daí que vem a pessoa postergar. Tem gente que fala “Eu preciso ir à academia hoje”. Começa muito bem, um mês lá na academia. Depois começa a ficar igual, não tem motivação, não tem ninguém lá na academia para ajudar. Não, você vai para a academia e aquelas mesmas coisinhas, chega uma hora em que você fala “Ah, não!”. Você precisa ter um mediador, até para suas emoções, evoluções. Mediador é necessário.

Selma: Eu pensei uma terrível. Ela está falando de academia e eu pensei: “é parecido com casamento. Você vai, aquela coisa toda, e depois começam as mesmices”. Tem que ter um mediador. “Como assim? O Ricardão?”. Não. O mediador é o próprio marido e a própria mulher, que resgata esse encantamento. Então é isso, hiperfoco em si não é bom nem ruim. Vai depender de como a gente utiliza e lida com isso.